Justificativa

O esforço interdisciplinar para tratar dos problemas de fronteira entre as áreas do conhecimento da Filosofia e da Educação (vinculadas à grande área das Ciências Humanas) é uma característica que acompanha os cursos de graduação presencial e EaD em Filosofia, Pedagogia, Educação Especial, Ciências da Religião (EaD) e os demais cursos de licenciaturas da UFSM, bem como o Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado e Doutorado e o Programa de Pós-Graduação em Filosofia – Mestrado e Doutorado da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM, RS/Brasil. Tal esforço ganhou impulso com a criação dos cursos de Doutorado em ambos os Programas de Pós-Graduação e os desafios da internacionalização que daí surgem. A intenção se manifesta com a criação de inúmeros convênios no campo da educação, com destaque, entre outros, para o Acordo de Cooperação Internacional entre a Universidade Federal de Santa Maria, por meio do Programa de Pós- Graduação em Educação, Brasil e a Universidade de Buenos Aires, por meio da Faculdade de Filosofia e Letras; os convênios no campo da educação entre a UFSM e a Universidade Carlos III (UC3M), de Madri, o convênio entre a UFSM e Universidade Autônoma de Madri (UAM) – Espanha.

Destaca-se também a atuação dos grupos de pesquisa que dão suporte ao evento, com ênfase especial ao Grupo de Pesquisa Racionalidade e Formação, envolvendo 6 instituições do estado do Rio Grande do Sul (PUCRS, UFRGS, UFSM, UNIJUÍ, UFPel, UPF), UNICAMP e Universidade Carlos III, de Madri. O Grupo Interinstitucional de Pesquisa “Racionalidade e Formação”[1], além de realizar encontros periódicos de pesquisa, de intercambiar várias atividades de natureza acadêmica, como publicações, participação de seus membros em bancas de dissertação e tese, também participa e organiza eventos acadêmicos e científicos. Fruto dessas iniciativas são os eventos de Filosofia e Educação realizados pelo Grupo de Pesquisa na Universidade de Passo Fundo – UPF, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS e na Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. Destas ações do grupo realizadas em Santa Maria resultaram muitas publicações que dão visibilidade aos trabalhos realizados, das quais, entre outras, destacam-se: Trevisan & Rossatto (2002; 2005; 2013); Trevisan & Tomazetti (2006); Tomazetti & Gallina (2009); Trevisan & Tomazetti & Rossatto (2010); Trevisan & Tomazetti & Rossatto (2017); Trevisan (2000; 2002; 2004; 2014; 2017; 2018); Tomazetti (2003).

O conjunto destas publicações torna evidente o eixo temático no qual se insere o diálogo entre Filosofia e Educação: a reflexão acerca de temas caros à relação entre Filosofia e Educação e sua atualidade no confronto teórico com problemas filosóficos e educacionais atuais. Isto é, no bojo destas publicações articula-se, entre outras, a questão geral de saber até que ponto os ideais clássicos de formação ainda são válidos para se pensar o leque de problemas que emergem dos contextos atuais complexos de interação pedagógica e, em que medida, tais ideais precisam ser reformulados.

A preocupação desse evento decorre da crescente demanda trazida pelos professores sobre o tema da violência nas escolas e seu entorno. Temática que vem ganhando cada vez mais visibilidade e atenção da parte dos profissionais que atuam nas escolas, bem como teóricos de diferentes áreas que estudam essa questão. É um fenômeno que não poder ser refletido isoladamente ou de maneira superficial, precisa de um esforço conjunto, olhar ampliado e aguçado.

O projeto desse evento se ajusta também ao atual cenário sócio-político-cultural que nosso país atravessa, com polarizações de opiniões, agressões mútuas, ameaça de ruptura democrática, supremacia de adjetivações negativas nas discussões em relação ao argumento racionalmente construído. Em outras palavras, a popularização da barbárie e da biopolítica. Em meio a essa realidade, se faz necessário colocar em pauta a questão das relações entre Escola, Violência e Ética, essa última sendo forma e critério de referência em tempos de pós-verdade.

O VI SENAFE e o II SEINFE partem de um experiência já consolidada em  pesquisas distintas aprovados pelo CNPq e PIBID com pesquisa em andamento, integrando em seu desenvolvimento professores e estudantes de graduação e pós-graduação, bem como alunos de ensino médio e suas respectivas escolas. Os referidos projetos são:

1) “Violência na educação: Repressão, liberação ou ausência de limites?” – coordenado pelo Prof. Dr. Amarildo Luiz Trevisan – PPGE – UFSM, o projeto busca tratar o tema da violência nas teorias da educação a partir da interpretação do texto “Para uma crítica da violência”, de Walter Benjamin. São utilizados outros filósofos contemporâneos, intérpretes do texto de Benjamin, como Marcuse, Derrida, Bernstein, Agamben, Honneth, Žižek e Butler. Walter Benjamin defende a tese de que há um tipo de violência que não se enquadra nas categorias tradicionais da coerção, e que é puro meio, não fim, citando o caso da educação. O objetivo do texto é evidenciar como seria a violência não-coercitiva na educação e no que ela difere do conceito tradicional. Projeto de pesquisa aprovado na Chamada CNPq N º 12/2016 – Bolsas de Produtividade em Pesquisa – PQ SIGLA: PQ 1D, com período de execução de 01.03.2017 a 28.02.2021.

2) “Políticas Públicas para o Ensino Médio e Ensino da Filosofia: uma analítica dos discursos”, coordenado pela Profa. Dra. Elizete Medianeira Tomazetti – PPGE – UFSM, projeto de pesquisa que procura atender às demandas relativas à docência e à investigação relacionada a filosofia e as políticas públicas para o ensino médio. Tais conexões, entre propostas curriculares para o Ensino Médio e objetivos e metodologias para a aula de Filosofia, constituem-se como linhas condutoras da investigação proposta, a ser desenvolvida por uma análise dos discursos, na perspectiva teórica de Michel Foucault. Projeto de pesquisa contemplado com a Chamada: MCTI/CNPQ/Universal 14/2014 – Faixa B – até R$ 60.000,00 e com Bolsa Produtividade em Pesquisa – CNPq – PQ 2, com período de execução de 01/03/2016 – 28/02/2019.

3) O “Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID/ UFSM”[2], coordenado pelo prof. Dr. Silvestre Grzibowski – PPGFil – UFSM, relativo ao ensino de filosofia nas escolas de ensino médio de Santa Maria, o qual visa desenvolver e implementar atividades acerca do aprimoramento da leitura e escrita filosófica dos alunos; utilização do cinema e do teatro como ferramentas metodológicas e reflexivas nas aulas de filosofia. Este projeto é desenvolvido por vinte (20) alunos do curso de Filosofia, os quais recebem bolsa de iniciação à docência e são acompanhados e orientados por mestrandos, doutorandos e alunos de iniciação científica no curso de Filosofia – CCSH/UFSM. O  prof. Dr. Silvestre Grzibowski é apoiador e participante do evento, estando atualmente na coordenação do projeto  da área de Filosofia do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (UFSM), aprovado no Edital PIBID nº 7/2018 com período de execução a partir de 01/08/2018.

4) “Hermenêutica simbólica e ética”, coordenado pelo Prof. Dr. Noeli Dutra Rossatto – PPGFil – UFSM. Trata da análise comparativa de três sistemas de hermenêutica simbólica, de suas estratégias de interpretação e da perspectiva ética. São as proposta de Agostinho, Joaquim de Fiore e Tomás de Aquino. A análise comparativa se centra na identificação das estruturas de significação e de dotação de sentido. Tem em vista a avaliação do impacto destas propostas na resolução de problemas hermenêuticos e éticos. A confluência dos diferentes temas pesquisados nos dá um substrato consistente para a realização desse seminário. Também, nos situa de maneira objetiva nesse tempo de mudança de época e profundas rupturas epistemológicas. Aprovado com bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq e PROBIC/FAPERGS.

Enfim, estas serão algumas das pesquisas e experiências a serem debatidas no VI SENAFE e II SEINFE, Tema: Escola, Violência e Ética numa promoção conjunta dos Programas de Pós-Graduação em Educação e Programa de Pós-Graduação em Filosofia, da UFSM, visando dar continuidade às discussões dos eventos anteriores e criar um novo espaço de interlocução. Pretende-se envolver pesquisadores tanto da área de Filosofia quanto da Educação, preocupados com a intensificação do diálogo entre essas duas áreas do conhecimento, buscando impactar secundariamente na grande área das Ciências Humanas. Além disso, dispor de todos os cuidados para que sejam apresentados trabalhos originais e com o rigor acadêmico compatível com o melhor da produção acadêmica discente e docente em nível de Graduação e Pós-Graduação.

[1] O Grupo Interinstitucional de Pesquisa Racionalidade e Formação – GPRACIOFORM encontra-se registrado no CNPq sob a coordenação dos professores Dra. Nadja Hermann (UFRGS-PUCRS/RS) e Dr. Cláudio Almir Dalbosco (UPF/RS), do qual participam como pesquisadores os profs. Dr. Amarildo Luiz Trevisan (UFSM) e Dr. Antonio Gòmez Ramos (UC3M), Dr. José Pedro Boufleuer (UNIJUÌ) e Dr. Eldon Mhül (UPF), os quais estarão participando do evento. Além disso, o grupo é integrado por pesquisadores de 6 universidades do RS, UNICAMP e Universidade Carlos III, de Madri, sendo que pesquisadores do grupo participaram como palestrantes e conferencistas de todas as edições do SENAFE. Participam também do apoio ao evento o Grupo de Pesquisa Filosofia, Cultura e Ensino Médio – FILJEM/CNPq, coordenado pela profa. Dra. Elisete Tomazetti, e o Grupo de Pesquisa Formação Cultural, Hermenêutica e Educação – GPFORMA, coordenado pelo prof. Dr. Amarildo Luiz Trevisan, do qual estarão presente no evento os pesquisadores Dr. Geraldo Antônio da Rosa (UCS) e Dr. Maurício Cristiano de Azevedo (IFFarroupilha). 

[2] Projeto de iniciação à docência, apoiado no âmbito do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID, que atende às atribuições legais da CAPES de induzir e fomentar a formação inicial e continuada de profissionais do magistério. O PIBID é uma ação governamental da Política Nacional de Formação de Professores do Ministério da Educação (MEC) no campo das licenciaturas, que visa estimular a inserção gradual do aluno de graduação a partir do meio do curso em diante com o objetivo de promover a reflexão sobre a prática profissional no cotidiano das escolas públicas de educação básica.